Cine-Expressão

Não importa o tamanho do país ou de sua população, a imagem em movimento faz parte do cotidiano das nações há mais de um século.

O patrimônio cultural das imagens é um dos eixos mais importantes da memória e da identidade sociocultural de um país – ação  estratégica e fundamental para o desenvolvimento da nação, portanto, deve integrar a vida social e política do Brasil, que reúne expressivo patrimônio audiovisual, representativo de sua cultura, história, arte e manifestações da sociedade. 

O mundo passa por transformações sociais profundas, ancoradas em conquistas tecnológicas cotidianas, transformando os meios audiovisuais nas principais formas de comunicação e expressão, um instrumento formador de opinião e de comportamento. Nos meios audiovisuais hoje incluímos o cinema, vídeo, TV, internet, jogos eletrônicos, a videoarte e os múltiplos usos da fotografia e novas mídias.

O desafio de todos os educadores contemporâneos é tornar a sala de aula tão atraente quanto o mundo fora da escola, com seus inúmeros estímulos audiovisuais. Aliar a prática dos professores com as modernas ferramentas de ensino é tarefa de todos os que se preocupam com a melhoria na aprendizagem dos nossos alunos. 

22518583636_dc1ac6b88e_o
Foto: Leo Lara/Universo Produção

Entender o audiovisual como janela sobre as relações sociais do mundo, como ferramenta multidisciplinar na sala de aula e ação complementar do projeto pedagógico é diretriz do Cine-Expressão – A Escola Vai ao Cinema, que se constitui de um programa
socioeducacional-cultural que une as linguagens educação e cultura com foco na formação do cidadão a partir da utilização
do audiovisual no processo pedagógico interdisciplinar. 

É uma iniciativa que possibilita conscientizar, sensibilizar e envolver o universo educacional no contexto do audiovisual, promovendo
encontros e debates do público estudantil de diversas comunidades e idades com as produções audiovisuais brasileiras.

Além das exibições de filmes, o Cine-Expressão promove o debate crítico e criativo de questões pedagógicas relevantes, utilizando linguagem e conteúdo cinematográficos apropriados para os diferentes níveis escolares, bem como oferece programa de capacitação para desenvolvimento e aplicação de técnicas e leitura coletiva da arte cinematográfica, com oficinas dirigidas aos educadores. Contribui, ainda, para a integração social, aproxima o universo escolar da ação cultural, fortalece vínculos e estabelece compromissos com as comunidades, além de difundir e multiplicar conhecimento.

Confira abaixo informações sobre os filmes do Cine Expressão:

Sessões de Curtas
Faixa etária sugerida: 5 a 8 anos

24/08, às 8h30 – Mis Cine Santa Tereza
24/08, às 14h – Mis Cine Santa Tereza
29/08, às 14h – Grande Teatro Sesc Palladium

Inscrições: clique aqui

Lipe, Vovô e o Monstro, de Felippe Steffens e Carlos Mateus
  
Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade. Este filme foi realizado em conjunto com os alunos do 2º ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre.

 

Dourado, de Bernardo Teixeira

Arthur é um garoto de seis anos, inteligente, criativo e explorador. Ele vive uma grande aventura ao se perder da mãe em um passeio no mercado central.

 

Cadê meu Rango? de George Munari Damiani

Bernard, preguiçoso e solitário, leva a vida tranquilamente em seu aconchegante lar. Certa manhã, ao ir pegar sua comida, não a encontra. Alguém teria pego? Quem? Bernard, no seu "ótimo" humor, encara o roubo como um desafio e busca formas de pegar esse "ladrão".



A primeira flauta
de Simon Brethé e Ricardo Poeira

“A Primeira Flauta” é uma fábula visual sobre a origem da música. O filme exalta a ancestralidade da música como forma de expressão humana capaz de criar e fortalecer vínculos entre pessoas.


Médico de Monstro
de Gustavo Teixeira

Dudu já escolheu sua futura profissão, agora terá que enfrentar seus medos para se tornar um médico de monstros.

 



Sessões de Curtas
Faixa etária sugerida: 8 a 13 anos

25/08, às 14h – Teatro Sesiminas
29/08, às 8h30 – Grande Teatro Sesc Palladium

Inscrições: clique aqui

A menina espantalho de Cássio Pereira dos Santos

Luzia mora no campo com seus pais e o irmão, Pedro. Quando Pedro começa a ir à escola, Luzia quer acompanhá-lo, mas é impedida pelo pai. Enquanto vigia um arrozal, ela busca outros caminhos para aprender a ler. 

 

Caminho dos Gigantes de Alois Di Leo

Caminho dos Gigantes
é uma busca poética pela razão e propósito da vida, que conta a história de Oquirá, uma menina indígena, que enfrenta o ciclo da vida e o conceito do destino. O filme explora as forças da natureza e a nossa conexão com a terra, a música e os seus elementos.


Marina não vai à praia
de Cássio Pereira dos Santos

Marina vive em Minas Gerais e está entediada com a vida do interior. Ao perceber que a classe da irmã organiza uma excursão para Guarapari, a jovem sente uma vontade incontrolável de ir ao litoral. As férias escolares chegam e, assim como 20 milhões de mineiros, Marina quer ir à praia.

 

A vida deve ser assim de Roberto Burd

Binho tem 11 anos e está apaixonado por sua colega de escola, Rafaela. Suas famílias são muito amigas e combinam de viajar juntas no próximo verão. Rafaela fica em recuperação e Binho, que é um ótimo aluno, não. Binho tem apenas dois dias para realizar seu plano para boicotar a viagem e passar as férias ao lado de sua amada.

 



Longa
Faixa etária sugerida: a partir de 14 anos

25/07, às 8h30 – Teatro Sesiminas

Inscrições: clique aqui

Últimas conversas de Eduardo Coutinho

Realizado a partir de entrevistas feitas com jovens estudantes brasileiros pelo cineasta Eduardo Coutinho antes de sua morte (em fevereiro de 2014), o filme busca entender como pensam, como sonham e como vivem os adolescentes de hoje. O material foi editado pela montadora Jordana Berg, parceira de Coutinho desde “Santo Forte” (2000), e a versão final é de João Moreira Salles.